sexta-feira, 3 de agosto de 2012

O Boy Magya


Boy Magya : Do latim, homem ideal, tipo perfeito. Bonito, legal, rico, inteligente , cheiroso (e no meu caso, que não cometa erros ortográficos).
O problema é que tudo isso vem acompanhado de uma outra "qualidade" peculiar. Os problemas. Sim, esse tipo vem num combo e o brinde é o problema que ele vai gerar.
Esses problemas podem ser variados, mas em geral, são patológicos. Ou melhor, um problema patológico, a bipolaridade. Esse indivíduo vai a todo custo, pedir seu telefone na balada, insistentemente até que você enfim ceda; e não, ele não vai ligar no dia seguinte, nem no outro, e nem um ano depois, ele não vai ligar nunca (por isso sempre dou meu número errado, assim não me ligam de fato, e por uma escolha MINHA). Esse indivíduo vai te cutucar por dias no Facebook, até que você o aceite como amigo; depois vai passar dias falando sobre o quão diferente dos outros homens ele é por inbox, até que por fim, vai pedir o seu messenger, que ninguém mais usa, portanto é muito mais pessoal. E depois? Ele vai pedir o seu telefone? Não, esse indivíduo é mais sagaz que o baladeiro, ele vai dar o número dele antes, sem pedir o seu, provocando assim uma pressão psicológica que faça com que você dê o seu telefone sem nem perceber. E não, ele não vai ligar no dia seguinte. Mas vai mandar uma sms fofa, o que é mais ardiloso e genial ainda! Depois de conquistá-la e fazê-la acreditar que Deus existe e que a vida é bela, ele vai desaparecer e nunca mais responder nenhuma de suas mensagens por nenhum desses millhares de contatos virtuais.
Dois tipo de Boy Magya, o virtual e o real baladeiro. E o que eles tem em comum fora serem bonitos, legais, inteligentes, cheirosos e tudo o mais?
Eles só queriam provar para eles mesmos, que iam conseguir.

Conclusão: Esqueça o boy magya, e quando der de cara com um desses, certifique-se que não é gay, se não for, corra.

3 comentários:

Angélica Yassue disse...

Depois de um tempo tentando compreender as razões masculinas para praticarem tanto escrotismo, passei a eu mesma pedir o telefone desses boys magya. Eles se assustam, principalmente quando eu digo: deixa que eu te ligo, ok? E fico sem passar o meu, ou faço como você, passo errado. Logo depois, na saída da balada, já faço questão de apagar o número para não me confundir com alguém e me perguntar (como tantas vezes eu já fiz): quem é Ricardo? Quem é Bruno? rs
Adorei o post! Não conhecia seu blog, e agora vou favoritá-lo!

Terumy Reybaud disse...

Muito boa ideia Angélica. Assim a decisão sempre fica em nossas mãos! Vou começar a pedir os telefones. E obrigada!

?! disse...

Lembrei q certa vez o rapaz pediu - com a desculpa da letra dele ser muito feia - para que eu escrevesse o telefone dele... Só depois percebi minha ingenuidade: com a minha letra, caso a mulher dele viesse a saber, ele teria como dizer que nem me conhecia (só soube da existência dela quando liguei). Tem q ficar de olho: se só vc tem o celular do gajo, pode ser q ele tenha impedimento para ter o seu.